Ancestrais dos seres humanos – A evolução da espécie

A história evolutiva da raça humana está escrita em nosso genoma. Ou seja, o genoma humano tem a aparência que tem por causa de todas as mudanças genéticas que afetaram os ancestrais dos seres humanos. Todavia, a origem exata da nossa espécie tem sido alvo de inúmeros debates.

Há indícios de que os primeiros seres humanos modernos se originaram na África nos últimos 200.000 anos e evoluíram de seu ancestral comum mais provável, o Homo Erectus, que significa “homem reto” em latim. O Homo erectus é uma espécie extinta de humanos que viveu entre 1,9 milhão e 135.000 anos atrás. Confira todas as espécies ancestrais dos seres humanos, a seguir.

Ancestrais dos seres humanos modernos

Sahelanthropus tchadensis (6-7 milhões de anos atrás)

Ancestrais dos seres humanos: a evolução da espécie
Fonte: Pinterest

Entre 6 e 7 milhões de anos atrás, nas savanas da África Ocidental vivia um dos ancestrais dos seres humanos mais antigos já conhecidos em nossa árvore genealógica. Descoberto em 2001 e conhecido apenas por um crânio e dentes, o Sahelanthropus é famoso por ser um dos primeiros caminhantes eretos, isto é, a característica que define a linhagem dos hominídeos.

Por este motivo, a espécie tinha uma combinação de características semelhantes às humanas. Seu cérebro era pequeno ( ligeiramente menor que o de um chimpanzé ), com um rosto desleixado e sobrancelha proeminente. No entanto, também possuía características notavelmente humanas, como pequenos dentes caninos e uma abertura na medula espinhal abaixo do crânio.

Orrorin tugenensis (6 milhões de anos atrás)

Fonte: Pinterest

Também descoberto em 2001, desta vez na região central do Quênia, o Orrorin tugenensis é outro excelente exemplo de locomoção vertical precoce. É um dos ancestrais dos seres humanos e a única espécie do gênero Orrorin. Mais de uma dúzia de fósseis desta espécie foram escavados até agora, datando entre cerca de 6,2 milhões e 6,0 milhões de anos.

Além disso, seu nome significa “homem original da região de Tugen”, fazendo referência as colinas de Tugen. Dessa forma, os indivíduos de Orrorin tugenensis eram aproximadamente do tamanho de um chimpanzé e tinham pequenos dentes revestidos de esmalte espesso, como os humanos modernos.

Sua parte corporal mais importante era o fêmur superior, que apresentava evidências de acúmulo ósseo tipicamente visto em um bípede. Por isso, alguns cientistas acreditam que Orrorin tugenensis escalou árvores, mas também era capaz de andar ereto.

Ardipithecus kadabba (5-5,8 milhões de anos atrás)

Fonte: Pinterest

Este hominídeo primitivo é conhecido no registro fóssil por alguns ossos cranianos e alguns dentes, bem como ossos da mão, braço e pé e uma clavícula. O Ardipithecus kadabba bípede (‘kadabba’ significa ‘ancestral mais antigo’ na língua Afar – idioma local da Etiópia) era semelhante ao chimpanzé nas proporções do corpo e no tamanho do cérebro, mas tinha caninos que se assemelham aos hominídeos posteriores.

Ademais, acredita-se provavelmente que ele andava ereto, a julgar pelo dedão do pé, que tem uma aparência larga e robusta. Seus fósseis foram descobertos na região da Etiópia em 1997.

Ardipithecus ramidus (4,4 milhões de anos atrás)

Ancestrais dos seres humanos: a evolução da espécie
Fonte: Pinterest

Esse é um dos ancestrais dos seres humanos com a evidência mais extensa de bipedalismo é o Ardipithecus ramidus de 4,4 milhões de anos. Os primeiros fósseis desta espécie foram descobertos em 1994, mas foi apenas em 2009, após extensas análises, que os investigadores anunciaram os seus resultados, apresentando ao mundo um esqueleto quase completo apelidado de ‘Ardi’.

A espécie recebeu o nome de ‘ramid’, que significa ‘raiz’ na língua Afar da Etiópia e se refere à proximidade desta nova espécie com as raízes da humanidade, enquanto ‘Ardi’ significa ‘chão’ ou ‘solo’.

Neste sentido, os ossos do pé de Ardi são compostos por um dedo grande divergente combinado com um pé rígido, o que indica locomoção bípede. A pélvis tem características que sugerem que era adequada tanto para subir em árvores quanto para andar ereto.

Além disso, cientistas argumentaram que o Ardipithecus ramidus é indicativo de um ancestral comum do macaco humano-africano que não era semelhante ao do chimpanzé, em contraste com outros hominídeos antes dele. Houve pouca diferença no tamanho entre machos e fêmeas, a julgar pelas amostras de dentes caninos.

Australopithecus anamensis (3,9-4,2 milhões de anos atrás)

Ancestrais dos seres humanos: a evolução da espécie
Fonte: Pinterest

Australopithecines são os primeiros ancestrais dos seres humanos a viverem na savana. Anamensis tem uma combinação de características humanas, tais como braços longos e ossos do pulso adaptados, juntamente com um osso da canela, com uma área expandida do osso humano até o tornozelo. Ademais, ‘Anam’ significa ‘lago’ na língua turkana falada pelos habitantes locais em Kanapoi, no norte do Quênia, onde os primeiros fósseis foram encontrados.

Australopithecus afarensis (2,9-3,8 milhões de anos atrás)

Fonte: Pinterest

Esta espécie é um dos ancestrais dos seres humanos mais conhecidos devido a uma série de descobertas importantes, incluindo um conjunto de pegadas fósseis e um esqueleto fóssil super completo de uma fêmea apelidada de ‘Lucy’. Ela foi apelidada assim por causa da música ‘Lucy in the Sky with Diamonds’ dos Beatles. Desse modo, mais de 300 indivíduos Australopithecus afarensis foram descobertos até agora na Etiópia, Quênia e Tanzânia.

Como os chimpanzés, as crianças de A. afarensis cresceram rapidamente após o nascimento e atingiram a idade adulta mais cedo do que nós, humanos modernos. No entanto, isso deixou os indivíduos com menos tempo para orientação dos pais e socialização durante a infância.

Semelhante a outros hominíneos primitivos, A. afarensis tinha características de macaco e humanas. Seu rosto tinha proporções de macaco, com um nariz achatado e uma mandíbula inferior fortemente protuberante. Por conseguinte, sua caixa craniana abrigava um cérebro muito pequeno (apenas 1/3 do tamanho de um cérebro humano moderno). Seus braços longos e fortes com dedos curvos foram adaptados para subir em árvores.

Contudo, seus pequenos dentes caninos eram muito parecidos com os humanos e seu corpo apoiava-se em duas pernas. Parece que essa dupla adaptação para viver tanto nas árvores quanto no solo ajudou A. afarensis a se tornar uma espécie de grande sucesso , pois sobreviveu por quase um milhão de anos em meio à mudanças climáticas e ambientais.

Kenyanthropus platyops (3,2-3,5 milhões de anos atrás)

Fonte: Pinterest

Não se sabe muito sobre Kenyanthropus platyops, cujo nome significa “rosto achatado”. Kenyanthropus também habitava a África, ao mesmo tempo que espécies de Australopithecus afarensis.Todavia, essa espécies continua a ser um enigma, pois alguns afirmam que é uma ponte entre os macacos e os humanos modernos, merecendo uma classificação diferente como uma espécie separada chamada de Australopithecus platyops.

Australopithecus africanus (2,1-3,3 milhões de anos atrás)

Fonte: Pinterest

Em 1924, a descoberta da criança Taung, forneceu a primeira evidência de que os humanos surgiram na África. Desse modo, especialistas afirmaram que a espécie era um intermediário entre macacos e humanos, porém levou mais de 20 anos para a comunidade científica aceitar amplamente o Australopithecus como membro da árvore genealógica humana.

Africanus Australopithecus era anatomicamente semelhante ao A. afarensis, com uma combinação de humano e macaco como características físicas voltadas tanto para escalar árvores, quanto para andar ereto. Seu crânio era maior e abrigava um cérebro maior do que A. afarensis. Por isso, ele é considerado um ancestral direto dos humanos modernos.

Paranthropus aethiopicus (1,2-2,3 milhões de anos atrás)

Fonte: Pinterest

Paranthropus aethiopicus foi uma espécie originalmente proposta em 1967 por uma equipe de paleontólogos franceses que analisou uma mandíbula incompleta. Na época, os cientistas pensaram que era muito cedo para descrever uma nova espécie com base em tão poucas evidências.

No entanto, em 1985, Alan Walker e Richard Leakey descobriram o famoso “Crânio Negro” a oeste do Lago Turkana, no Quênia, que validou a afirmação de que havíamos encontrado uma nova espécie australopitecina “robusta”. P. aethiopicus tinha um rosto fortemente saliente, grande e uma poderosa mandíbula, bem como enormes músculos de mastigação – todas as adaptações que permitiram este hominídeo mastigar com uma grande força.

Paranthropus boisei (1,2-2,3 milhões de anos atrás)

Ancestrais dos seres humanos: a evolução da espécie
Fonte: Pinterest

Esses fósseis humanos primitivos, descobertos no desfiladeiro de Olduvai, no norte da Tanzânia em 1959, indicam dentes grandes e achatados na bochecha e esmalte espesso. Por esse motivo, o crânio de ‘Zinj’ costuma ser apelidado de ‘Homem Quebra-nozes’.

As maçãs do rosto alargadas faziam com que o rosto de P. boisei parecesse muito largo e em forma de prato, permitindo que os músculos maiores da mandíbula crescessem e sustentassem os dentes maciços da bochecha que eram quatro vezes o tamanho do humano moderno. Além disso, os machos eram maiores do que as fêmeas, como acontece com todas as espécies de Australopithecus com 1,37 e 1,24 metros de altura, respectivamente.

Homo habilis (1,4-2,33 milhões de anos atrás)

Fonte: Pinterest

O Homo habilis foi um dos ancestrais dos seres humanos que viveu durante o período do Pleistoceno Gelasiano. Assim como a maioria dos outros indícios. os primeiros fósseis do hominídeo foram encontrados na Tanzânia entre 1962 e 1964.

Sua aparência é a menos semelhante aos humanos modernos de todas as espécies do gênero. O Homo habilis era baixo, medindo apenas 10 a 135 cm de altura. Além disso, ele tinha braços desproporcionalmente longos em comparação com os humanos modernos, mas tinha uma face muito menos protuberante do que os australopitecos, dos quais os cientistas pensam que descendia.

Sua capacidade craniana era maior do que a dos australopitecos, mas ainda bem pequena – apenas metade do tamanho dos humanos modernos.

Por fim, acredita-se que o Homo habilis seja o ancestral do Homo ergaster, ele próprio o ancestral do Homo erectus. É bem possível que o Homo habilis seja um ancestral direto dos humanos modernos, mas isso ainda é um assunto a ser mais pesquisado e debatido por estudiosos.

Homo rudolfensis (1,8-1,9 milhões de anos atrás)

Ancestrais dos seres humanos: a evolução da espécie
Fonte: Pinterest

Os fósseis de Homo rudolfensis foram encontrados perto das margens do Lago Rudolf (agora conhecido como Lago Turkana) em 1972, e foi batizado pelo cientista russo VP Alexeev em 1986 . Dessa forma, o H. rudolfensis tinha uma caixa cerebral consideravelmente maior do que H. habilis. Em qualquer caso, o Homo rudolfensis foi contemporâneo do Homo habilis e os dois provavelmente interagiram.

Homo ergaster (1,3-1,8 milhões de anos atrás)

Fonte: Pinterest

Esta é uma das primeiras espécies do gênero Homo que viveu no leste e no sul da África durante o início da Pleistoceno. Assim, Homo ergaster significa ‘trabalhador’ – um nome dado ao hominídeo por sua avançada tecnologia lítica.

Notavelmente, alguns especialistas argumentam que o Homo ergaster pode ter sido o primeiro hominídeo a usar uma voz “humana” e uma protolinguagem. Não há evidências arqueológicas para sugerir isso, mas as vértebras cervicais da espécie, o cérebro bem desenvolvido e outras capacidades físicas sugerem que ela pode ter tido a maquinaria biológica necessária para expressar palavras e usar o pensamento simbólico, como a arte rupestre.

Embora sua ancestralidade ainda seja debatida, acredita-se que o Homo ergaster seja o ancestral direto dos hominídeos posteriores, como o Homo heidelbergensis, o Homo sapiens e o Homo neanderthalensis, bem como o Homo erectus da Ásia.

Homo erectus (200.000-1,89 milhões de anos atrás)

Fonte: Pinterest

Os primeiros hominídeos eram capazes de andar ereto, mas não se locomoviam exatamente como fazemos hoje, conforme indicado por sua adaptação para subir em árvores. Esses ancestrais ainda contavam com características primitivas como dedos longos, curvos e pés, bem como braços longos e pernas mais curtas. Durante esse período, o clima na África ficou mais seco, facilitando ambientes abertos adequados para caminhadas.

Homo heidelbergensis (200.000-700.000 anos atrás)

Fonte: Pinterest

O Homo heidelbergensis foi um dos ancestrais dos seres humanos especialista na caça e na fabricação de ferramentas sofisticadas. O hominídeo era relativamente alto e tinha uma capacidade cerebral média maior do que os humanos modernos. Ademais, o H. heidelbergensis também foi o primeiro caçador de grandes animais de caça como veados selvagens, cavalos, elefantes, hipopótamos e rinocerontes.

Com relação ao seu comportamento social, H. heidelbergensis pode ter sido a primeira espécie de humanos primitivos a enterrar seus mortos. A espécie provavelmente também praticava adornos pessoais, como indicado pela descoberta do ocre vermelho na Terra Amata, e muito possivelmente utilizava uma protolinguagem.

O Homo neanderthalensis provavelmente divergiu do Homo heidelbergensis há cerca de 300.000 anos na Europa; O Homo sapiens provavelmente divergiu entre 100.000 e 200.000 anos atrás na África.

Homo rhodesiensis (125.000-400.000 anos atrás)

Fonte: Pinterest

Em suma, o Homo rhodesiensis era robusto, com sobrancelhas muito grandes e rosto largo. Por esse motivo, às vezes é chamado de ‘Neandertal africano’. Atualmente, os antropólogos consideram que H. rhodesiensis possui características intermediárias entre o Homo sapiens e o Homo neanderthalensis.

Alguns argumentam que é o ancestral do Homo sapiens idaltu, que por sua vez foi o ancestral do Homo sapiens sapiens, que é a nossa espécie. O crânio fóssil do “homem da Rodésia” foi descoberto na antiga Rodésia do Norte, atual Zâmbia, em 1921.

Homo neanderthalensis (40.000-400.000 anos atrás)

Ancestrais dos seres humanos: a evolução da espécie
Fonte: Pinterest

Os Neandertais são nossos parentes humanos extintos mais próximos. O nome ‘Neanderthal’ foi escolhido por causa da localização do primeiro espécime confirmado da espécie – no Vale do Neander, na Alemanha. Tal, ou thal, significa “vale” em alemão. Os fósseis da Bélgica e de Gibraltar não foram reconhecidos inicialmente na época de sua descoberta.

Para esclarecer, as características definidoras dos Neandertais incluem uma sobrancelha protuberante e maçãs do rosto anguladas. Com efeito, ele se adaptou a climas frios, tinha um nariz grande que era bom para umidificar e aquecer o ar frio e seco. Além disso, seus cérebros eram grandes, senão maiores, que os nossos. Evidências arqueológicas sugerem que eles eram caçadores e artesãos habilidosos que sabiam como controlar incêndios e construir abrigos.

Eles também enterravam seus mortos e, ocasionalmente, marcavam túmulos com ornamentos, como flores. Este tipo de comportamento nunca foi praticado por outro primata ou espécie humana primitiva.

Cientistas recuperaram e sequenciaram o DNA de mais de uma dúzia de ancestrais da espécie Neandertal como parte do Projeto Genoma de Neandertal. Entretanto, não sabemos ao certo o que matou os neandertais. Pode ter sido uma competição com o Homo sapiens, mudança climática ou ambos. Neanderthals eram uma espécie de sucesso e provavelmente tão inteligentes como os seres humanos – mas eles ainda eram bastante frágeis em alguns aspectos.

Denisova hominídeo (765.000-48.000 anos atrás)

Fonte: Pinterest

Além dos Neandertais, humanos anatomicamente modernos coexistiram com uma terceira espécie de Homo chamada Denisovans. Os denisovanos ocuparam um vasto reino que se estendia da região fria da Sibéria até as florestas tropicais úmidas da Indonésia, sugerindo que o terceiro ser humano do Pleistoceno era bastante adaptável.

A espécie foi identificada pela primeira vez em março de 2010, quando os cientistas encontraram um fragmento ósseo de um dedo de uma fêmea jovem na remota caverna Denisova nas montanhas Altai da Sibéria. A análise do DNA do osso do dedo mostrou que ele é geneticamente distinto dos DNAs de Neandertais e humanos modernos. No entanto, estudos subsequentes sugerem que os denisovanos compartilhavam uma origem comum com os neandertais há cerca de 1 milhão de anos.

Homo floresiensis (desconhecido – 50.000 anos atrás)

Fonte: Pinterest

O Homo floresiensis é uma espécie possível no gênero Homo, que pode ter vivido até 13.000 anos atrás. Em 2003, os esqueletos parciais de nove indivíduos foram recuperados na ilha de Flores, na Indonésia. Ferramentas de pedra feitas por esta espécie que foram encontradas na mesma caverna datam de 50.000 a 190.000 anos.

Esta espécie provisória de Homo também é chamada de ‘Hobbit’ devido ao pequeno corpo e cérebro do hominídeo. Esses indivíduos tinham cerca de 1 metro de altura, além de dentes grandes para o seu tamanho pequeno, ombros encolhidos para a frente, sem queixos, testas recuadas e pés relativamente grandes devido às suas pernas curtas.

Os cientistas acham que a estatura diminuta e o cérebro minúsculo desses ancestrais são o resultado do nanismo em ilha – um processo evolutivo em que o isolamento de longo prazo em uma pequena ilha com recursos limitados e a falta de predadores faz com que os organismos cresçam em tamanho pequeno.

Homo sapiens (300.000 anos atrás – presente)

Fonte: Pinterest

Por fim, acredita-se amplamente que, durante um período de dramáticas mudanças climáticas, 300.000 anos atrás, o Homo sapiens evoluiu na África. Os humanos modernos são caracterizados por uma estrutura esquelética mais leve do que a espécie humana anterior. Uma das características mais marcantes da espécie é o cérebro grande , que varia em tamanho dependendo da população e do sexo , mas em média é de aproximadamente 1.300 centímetros cúbicos.

Para abrigar um cérebro tão grande, os humanos tiveram que reorganizar o crânio, que agora tem uma parede fina e uma abóbada alta, com uma testa plana e quase vertical. Isso contrasta fortemente com as rugas da sobrancelha e o prognatismo das primeiras espécies de Homo. Nossas mandíbulas também são menos desenvolvidas e contêm dentes menores.

Uma análise do DNA mitocondrial demonstrou que o maior nível de diversidade genética em humanos modernos ocorre no continente africano, ou seja, isso aponta para o fato de que nossa espécie se originou na África.

De acordo com um estudo de 2017, o espécime humano moderno mais antigo foi encontrado em um lugar improvável: Marrocos. Como resultado, os ossos do crânio, rosto e mandíbula foram identificados em um sítio arqueológico próximo à costa do Atlântico e datados de 315.000 anos atrás.

Então, agora que você conhece os ancestrais dos seres humanos, clique e confira: Ancestral mais antigo do homem é encontrado na China

Fontes: Arqueologia Pré-História, Hypescience

Fotos: Pinterest

Essa matéria Ancestrais dos seres humanos – A evolução da espécie foi criada pelo site Segredos do Mundo.

Ancestrais dos seres humanos – A evolução da espécie Publicado primeiro em https://segredosdomundo.r7.com/

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s